• 23/01/2019
  • Lockey

Quer alugar seu imóvel mas não sabe como fazer o cálculo do aluguel? Entenda aqui!



Investir no setor imobiliário é um desejo muito comum para os brasileiros, que podem adquirir uma casa ou apartamento esperando pela sua valorização no futuro ou para ganhar renda passiva por meio da locação. No entanto, é comum que a maior parte das pessoas não saiba como fazer o cálculo do aluguel para levar esse plano adiante.

Infelizmente, essa é uma dúvida bastante comum entre os proprietários e acaba causando bastante confusão, sobretudo em função de alguns locadores que pedem preços que estão completamente fora da realidade do mercado. Quer evitar que isso aconteça com você? Então não deixe de conferir o conteúdo a seguir!

 

Os preços praticados no mercado

 

O primeiro passo para qualquer pessoa que deseja alugar o seu imóvel é analisar os preços praticados no mercado de forma a não pedir um valor completamente incoerente com o setor imobiliário. Sendo assim, considere que, no Brasil, o custo mensal de uma locação costuma oscilar entre 0,5% a 0,6% do preço de venda.

Obviamente, existem algumas variantes aceitáveis, tanto para cima quanto para baixo. Elas dependerão das características da propriedade e também do momento econômico em que o país se encontra, além de peculiaridades como a presença ou não de mobília e as taxas de condomínio e IPTU.

 

A localização e sua importância

 

Para os especialistas, a localização é o item mais importante na hora de fazer o cálculo do aluguel do imóvel — e, logicamente, eles têm razão em afirmar isso. É fácil perceber essa situação, uma vez que mesmo propriedades muito similares em metragem e estrutura podem ter preços completamente diferentes de acordo com o bairro ou mesmo a rua em que estão situadas.

Diante desse contexto, é fundamental analisar, sem sentimentalismos e com bastante objetividade, se a sua casa ou apartamento está nos melhores bairros ou em regiões que ainda estão em desenvolvimento. Lugares que estão recebendo investimentos públicos ou privados, como estações de metrô ou shoppings, tenderão a valer mais.

A estrutura também entra nessa equação e, portanto, é possível cobrar um pouco mais se a unidade é bem atendida pelos serviços básicos e se existem estabelecimentos fundamentais para o dia a dia de qualquer pessoa, como mercados, padarias, farmácias, restaurantes, lanchonetes, escolas, academias de ginástica e assim por diante.

 

Outros fatores que influenciam

 

O preço também pode variar com aspectos como a própria idade do imóvel e o seu estado de conservação. Se as condições de habitabilidade estiverem longe do ideal, você certamente não poderá cobrar um preço alto pela sua unidade e, dependendo do caso, terá que investir urgentemente em uma reforça ou em pequenos reparos.

Outros pontos cruciais são o valor do IPTU e da taxa de condomínio. Se eles forem muito elevados, você não poderá pedir muito pela locação, sob o risco de ficar com a sua propriedade “encalhada” e de ter que arcar com essas despesas por conta própria durante todo o ano.

Como você pode ver, fazer o cálculo do aluguel envolve diversas variáveis, mas não é algo impossível de ser realizado. Caso você ainda tenha dúvidas quanto a isso, contar com ajuda especializada pode ser muito interessante.

E agora, aprendeu como calcular o aluguel do seu imóvel? Deseja compartilhar sua opinião sobre o assunto? Deixe o seu comentário aqui no post!

[fbcomments]